Como é definido o preço do Registro Federativo?

15/1/2019 | O assunto preço é complexo e requer seriedade para defini-lo.

A definição correta do preço de venda de produtos como Registro Federativo, inscrições em provas, Taxas e Emolumentos é fator determinante para o sucesso de qualquer entidade em um mercado competitivo. Porém, este é um assunto que causa muitas dúvidas para todos, tanto dirigentes quanto atletas, principalmente os de primeira viagem. A formação do preço de venda de um produto ou serviço não é algo que pode ser criado de qualquer maneira, sem uma lógica a ser seguida. É preciso considerar os objetivos da instituição e o seu público, no caso, os atuais e futuros triatletas.

O primeiro passo é entender a definição de "preço de venda".

Segundo o Sebrae: PREÇO DE VENDA É O VALOR QUE DEVERÁ COBRIR O CUSTO DIRETO DA MERCADORIA, PRODUTO OU SERVIÇO, AS DESPESAS VARIÁVEIS (COMO IMPOSTOS E COMISSÕES), AS DESPESAS FIXAS PROPORCIONAIS (COMO ALUGUEL, ÁGUA, LUZ e TELEFONE), ALÉM DE PERMITIR A OBTENÇÃO DE UM LUCRO LÍQUIDO ADEQUADO.

Além do aspecto financeiro, a definição do preço de venda do registro federativo deve levar em conta diversos outros aspectos. Os objetivos da instituição e o seu planejamento de ações e posicionamento, são peculiares de cada entidade e por este motivo, não se deve comparar apenas o quesito monetário, quando se compara um preço.

Por se tratar de uma instituição sem finalidade lucrativa, o preço de seus produtos, tem como princípio ser o menor possível, porém, precisa ser responsável e estar de acordo com o planejamento, para não criar um colapso financeiro e deixar a instituição fadada a extinção.

Para ir direto ao assunto, podemos destrinchar e tentar entender o preço do Registro Federativo da Febatri. Para isso, é importante entender o contexto em que a Febatri e o triathlon estão inseridos.

Um pouco de história

A Febatri é uma das entidades do triathlon brasileiro mais antigas. A data de sua fundação é anterior a data de fundação da Cbtri. A Febatri é histórica e já teve uma grandiosa representatividade no cenário nacional, seja numericamente, com a quantidade de atletas participantes e também qualitativamente, com seus atletas conquistando diversas competições.

Mesmo com a história a seu favor, estes números sofreram uma considerável queda. A participação do público nas provas estaduais, também passou e está passando por um momento de redefinições.

Participação de Baianos na Copa Brasil 2018

Salvador - 106 triatletas baianos
Floripa - 11 Triatletas baianos
Palmas - 11 Triatletas baianos
Etapa Sul - 1 Triatleta baiano
Vila Velha - 7 Triatletas baianos
Brasília - 11 Triatletas baianos

A participação dos triatletas baianos em provas para o ranking nacional está muito baixo. Por outro lado, provas nacionais ou internacionais particulares, estes números aumentam. É um comportamento a ser estudado. Uma possível conclusão é que provas com maior custo,  maior entrega e maiores distâncias, tem atraído mais os atletas baianos. Esta conclusão estaria correta? Fica a dúvida.

O Triathlon da Bahia está em um momento crucial. Com mudanças em diversos aspectos e através da análise dos últimos números, já se pode ver uma importante alteração na perspectiva. Para mudar é necessário fazer algo a mais e ainda melhor do que já se faz. É esse algo a mais e melhor para todos os atletas, que precisará ser buscado para retomar o crescimento e a representatividade do Triathlon da Bahia.

Um dos símbolos deste momento de mudanças é a abordagem que está sendo dada a estratégia do Registro Federativo e o relacionamento com público. Em 2018 houve a inovação no registro federativo com a inclusão do clube de descontos em lojas parceiras, além de ter sido oferecido uma outra opção que dava direito a ganhar um tênis esportivo. Já com o relacionamento com o público, foi criada reuniões presenciais e virtuais, mas ainda com pouca adesão. Mesmo assim, já mostrou mudanças, principalmente na importância de ver o Triathlon muito mais do que um esporte, mas também como vetor de desenvolvimento social.

Como estamos no começo do ano e o primeiro produto/serviço a ser oferecido pela Federação é o registro federativo, vamos utilizá-lo como exemplo para entender a formação do seu preço.

O preço do registro federativo é composto da seguinte forma:
Valor de venda = Taxa CBtri + Taxa Comercial + Taxa Federação

A seguir, os planos de preços dos Registros Federativos 2019 utilizados pelas federações de Triathlon do Brasil: 

Plano A
Valor R$60 = R$50 (Cbtri) + R$4,80 (Taxa comercial) + R$5,20 (Taxa Federação) 

Plano B
Valor R$120 = R$50 (Cbtri) + R$9,60 (Taxa comercial) + R$60,40 (Taxa Federação) 

Plano C
Valor R$165 = R$50 (Cbtri) + R$13,20 (Taxa comercial) + R$101,80 (Taxa Federação) 

Plano D
Valor R$190 = R$50 (Cbtri) + R$15,20 (Taxa comercial) + R$124,80 (Taxa Federação) 

Plano E
Valor R$250 = R$50 (Cbtri) + R$20,00 (Taxa comercial) + R$170,00 (Taxa Federação) 

Plano F
Valor R$275 = R$50 (Cbtri) + R$22,00 (Taxa comercial) + R$203,00 (Taxa Federação) 


Quantidade (X) de federações por plano de preço:

Plano A (1)
Plano B (1)
Plano C (18)
Plano D (1)
Plano E (2)
Plano F (1)

A Febatri escolheu 2 opções, o valor similar ao plano C para um tipo de registro e o valor do plano E para o outro tipo de registro. 

Além de entender a formação do preço, é fundamental entender a justificativa do mesmo, para então, podermos julgar se achamos que o valor está caro, justo ou barato. 

Afinal o que é caro, justo ou barato? Isso dependerá da justificativa do preço e da sua percepção pessoal sobre o mesmo. A percepção de caro é quando o que estamos pagando é inferior ao que estamos recebendo. O preço justo é quando temos a sensação de que estamos recebendo algo exatamente por aquilo que estamos pagando, e o barato, é quando temos a percepção de que estamos recebendo muito mais do que estamos pagando.

Para considerar um registro federativo como caro, justo ou barato, é preciso conhecer o que está se comprando, seus benefícios e a finalidade do mesmo. Para isso é preciso que o atleta participe de forma ativa das reuniões, encontros e/ou pesquisas da instituição, solicite informações e esclarecimentos quando necessário e acompanhe as atividades através dos meios oficiais de comunicação da entidade.

A Febatri possui o registro de pouco mais de 800 triatletas. Deste universo, em 2018, apenas 247 fizeram o registro federativo e finalizando o ano com média de inscritos de 125 por etapa. Mesmo considerando uma média baixa, para o potencial que a Bahia possui, muitas outras provas de federações e até mesmo da Cbtri não tiveram esta média de atletas.

Os cálculos para a projeção orçamentária de 2019 são feitos com a expectativa conservadora de 200 atletas, mas a estratégia de marketing a ser adotada é feita para conseguir muito mais do que isso. Afinal, potencial existe.

Em 2018 algumas ações previstas, infelizmente não foram executadas em parte ou em sua totalidade, como por exemplo a premiação pecuniária para os atletas de Elite e as provas de Aquathlon e Triathlon Olímpico. Como não houve patrocínio para estas provas e a Febatri não possuía fluxo de caixa suficiente para arriscar fazê-las, optou-se pelo seu cancelamento. Já sobre a premiação, foi possível apenas isentar a taxa de inscrição dos campeões da etapa.

Para que isso não se repita em 2019, foi feito um estudo e chegou-se a um formato com três opções de provas, sendo uma delas específica para casos em que não exista um patrocinador e a prova deverá ser realizada apenas com a receita de inscrições. Provas assim serão consideradas como um plano de contingência, e antes de serem feitas, serão amplamente debatidas com os atletas, para que sejam evitadas falsas expectativas. Em caso de concordância entre os atletas, a prova nessas circunstâncias, será realizada em um formato básico.

Com as informações acima já é possível entender a complexidade que é a precificação de um produto, serviço e principalmente de um registro federativo. Por isso, sempre que possível, busque as informações e as analise, antes de julgar um preço caro, justo ou barato.

AGENDE-SE

DESTAQUE

Oficiais Técnicos baianos são certificados pela União Internacional de triathlon (ITU)

A Bahia se torna um Estado com grande contingente de Oficiais técnicos com certificação internacional


Confira aqui um resumo do Encontro Triathlon Bahia

No dia 09 de fevereiro se reuniram presencialmente 15 atletas e técnicos, somados aos 37 atletas, técnicos e árbitros com participação virtual, para discutirem o desenvolvimento do Triathlon da Bahia conforme a pauta abaixo:


Encontro Triathlon Bahia

Triatletas, técnicos e árbitros do triathlon baiano se reunirão para discutirem o desenvolvimento do esporte no estado


PARTICIPE

Contribua com sugestões  FALE CONOSCO